Páginas

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Esquecer

Cena do filme Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças


‎"O melhor é esquecer de tudo, quando uma mulher se volta contra você. Elas podem te amar um tempo; mas um dia dá um click, e, então, veem você morrendo atropelado na sarjeta e ainda cospem em cima."


Romance Mulheres - Charles Bukowski




Som: Mil perdões
Recomendo o filme nacional Como esquecer



A vida se embaralhou num instante, e em menos de 24 horas me deram a tarefa de reorganizá-la. É assim quando não se tem mais 17 anos. A vitalidade, a paixão, a brasa da juventude ainda estão lá; mas quando se tem vinte e poucos, a disposição para sofrer já não é mais a mesma. Falta tempo e sobra vergonha. Recorri ao esquecimento.

Talvez ninguém entenda esse texto. Talvez ninguém veja esse texto - há tanto tempo que nao escrevo. Sinceramente, eu gostaria que você o visse. Ainda não sei qual minha intenção com isso. O que importa é que eu queria gritar um pouco com você, contra a sua prudência, xingar a sua relutância em viver sem pensar nos dez segundos à frente; te dizer que você não pode viver tentando consertar o futuro; ou pelo menos não deveria.

Tudo que você faz, não condiz ao que você sente. Você não sabe se expressar, tem medo de aceitar o que passa dentro da própria cabeça. Pode ser até que um dia tenha sido a parte mais interessada da nossa imbecil história, mas eu não soube, eu nunca soube. E foi por me enganar tanto, que escolhi apagar o que passou. Não venha perguntar o porquê ou se mostrar ofendido. Como em "Brilho eterno de uma mente sem lembranças", decidi pelo caminho mais fácil, esquecer o mundo e ser por ele esquecida.

Resolvi te esquecer por ser tão ingrato e nunca ter pensado em mim. Por chegar trazendo alegria, e a carregar de volta no dia da partida; deixando em minha mesa somente um bocado de arquivos de perdas e ganhos pra contabilizar. Resolvi deletar. Porque tenho uma teoria de que a despedida é sempre mais difícil pra quem fica. 

Cena do filme Closer - Perto Demais
Decidi esquecer porque meu corpo dói de tanto amor que não pude descarregar em você. Tive que me vestir de frieza, coisa que eu não queria mas aprendi que é dessa forma que a gente se protege. Então esqueci. Esqueci porque eu sou os extremos. Eu sou o amor. Eu sou o olho por olho, sou olho no olho, mas também sou dente por dente.

Te esqueci porque pensei que vc fosse cínico e insensível; mas agora não sei se é bem esse o seu problema. Se eu te encontrasse hoje em dia provavelmente tentaria te salvar com minhas olhadas pretensiosas e minha timidez enxerida; porque você, na verdade, não odeia romances, só não sabe vivê-los. O que não é uma notícia tão assustadora assim, já que quase ninguém sabe. Se eu tivesse conhecido o seu lado vulnerável  antes, teria optado por seduzir seus medos e te levar pro abismo comigo.

Mas não, eu te esqueci. Te esqueci porque sou fraca;  porque nos últimos longos dias não tenho tido muita força e paciência pra convencer alguém a me querer. Te esqueci porque vc me esqueceu primeiro. Ou deixou pra lembrar-se mais tarde, vai entender.. Seu pavor de que eu me apegasse era tanto que logo se instalou também em mim. E de longe eu parei para observar: você que queria tanto ser livre, acabou preso a uma fictícia e sem graça liberdade; tornou-se refém de si mesmo e da meta número um que era não se prender a ninguém. Parabéns.

Sinceramente, teria sido muito fácil pra mim, te encher de carinho e atenção, porque minhas mãos já haviam se simpatizado com o seu cabelo e meus olhos com seu sorriso pela metade e meus ouvidos com as canções que você canta e que combinam tanto com olhar pra lua abraçados; mas o tempo passou, minha paciência esgotou, o mundo não parou. Você se foi, não chorou, sequer quis me ouvir chorar. Só pegou as malas e escolheu ser um desconhecido para mim. E é por isso que eu te esqueci. Ou pelo menos resolvi tentar.

Um comentário:

  1. Muito bom o seu blog, estive a percorre-lo li alguma coisa, porque espero voltar mais algumas vezes, deu para perceber a sua dedicação em partilhar o seu saber.
    Se me der a honra de visitar e ler algumas coisas no Peregrino e servo ficarei radiante.
    E se gostar e desejar comente.
    Como já estamos perto do Natal, desejo-lhe um Natal Feliz e cheio de paz e saúde.
    Que Deus vos abençõe e guarde.
    António.
    http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/

    ResponderExcluir

Caso você não tenha um blog ou qualquer outra conta, marque a opção ANÔNIMO em Comentar como, logo abaixo do quadro onde você escreverá seu comentário.

Deixe aqui a sua opinião. Ela é importante pra mim =D